URGENTE: Nota da FASUBRA sobre ataque ao ANDES e outras instituições

Nesta semana, a democracia brasileira, já agonizando, teve inúmeras provas de que está gravemente ameaçada. Na manhã de hoje (25), a seção do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN) em Campina Grande, na Paraíba, sofreu uma ação da Polícia Federal.

Os agentes foram ao local para apreender um panfleto da entidade, intitulado “Manifesto em defesa da democracia e da universidade pública”. O juiz eleitoral Horácio Ferreira de Melo Júnior determinou ainda que levassem “outros materiais de campanha eleitoral em favor do candidato a presidente da República Fernando Haddad”. A conduta foi tão truculenta que os policiais federais excederam o que determinava o mandado, se apropriando dos HDs da entidade.

No mesmo instante, na Universidade Federal de Grande Dourados (UFGD), a polícia acabou com uma palestra sobre fascismo que havia sido uma das orientações da FASUBRA como atividade para o dia de paralisação. A aula foi suspensa e os alunos acabaram impedidos de usar o microfone para se manifestar. Integrantes do Diretório Central de Estudantes (DCE) tiveram seus nomes coletados durante a abordagem.

Na terça-feira (23), fiscais do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) estiveram na Universidade Federal Fluminense (UFF) para a retirada de uma bandeira com os dizeres “Direito UFF Antifascista”. Eles percorreram as salas, interromperam uma aula que ocorria no auditório e foram até o centro acadêmico para intimidar os jovens presentes.

O curioso é que essas ações da PF ocorrem, no caso do ANDES-SN e suas seções sindicais, por terem se posicionado explicitamente contra o fascismo e em defesa da democracia, bandeiras históricas do sindicato.

Já no caso das instituições, quando qualquer reitor se manifeste ou defenda a autonomia da universidade em realizar atividades de natureza política e democrática. Não podemos esquecer que atitudes como essa, por parte da PF, já ocorreram quando algumas universidades introduziram cursos sobre o golpe em 2017.

A FASUBRA Sindical reitera a necessidade de estar alerta para qualquer ação policial e/ou fiscal que ameace a liberdade de expressão, em tempos de instabilidade social e política no país. Não é aceitável, em nome da democracia, que procedimentos assim ocorram, remetendo aos piores momentos do regime ditatorial. Cercear a manifestação de ideias representa um atentado à autonomia da universidade e aos direitos humanos. Isso demonstra que estamos vivendo um período sombrio que fere de morte o Estado democrático de direito.

Por isso, a Federação defende a unidade das entidades, se solidariza com o ANDES e as demais instituições vítimas desse abuso de poder. Historicamente, o espaço universitário é reconhecido como um local de amplo debate, pensamento livre e discussões críticas. Não é justo que sofra um ataque vil de quem quer calar opiniões contrárias àquelas que a extrema-direita tenta implementar no Brasil. Continuaremos firmes na luta contra o retrocesso, a censura e o autoritarismo!

A direção nacional da FASUBRA orienta as entidades filiadas que permaneçam atentas, pois essas ações também podem ocorrer em nossa base. Em caso de qualquer ação policial que restrinja a liberdade de expressão e a liberdade sindical, denunciem e informem para que possamos tomar as devidas medidas cabíveis.