Manifestações populares contra o governo Bolsonaro crescem no país

O Brasil começou a reagir frente aos constantes ataques e à pífia atuação do atual governo e, apesar da pandemia do novo coronavírus (COVID-19), manifestações populares de oposição e a favor da democracia tomaram o país neste domingo (31/05) em pelo menos quatro capitais: Rio de Janeiro/RJ, Belo Horizonte/MG, Porto Alegre/RS e São Paulo/SP.

Protestos contra o fascismo crescente que já aconteciam em alguns locais, como na capital do Rio Grande do Sul, que realizou o terceiro ato consecutivo neste domingo, ganharam adesão em outros estados, com torcidas organizadas de futebol. A polícia confrontou manifestantes no RJ e em SP, sendo que em SP também houve confronto com uma manifestação pró-Bolsonaro.

Em Brasília, como tem se tornado costume, outro ato foi registrado na Esplanada com a participação do presidente, ameaças à democracia e pautas inconstitucionais, como por exemplo, pelo fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Congresso Nacional e pedindo intervenção militar.

O final de semana também foi marcado por um manifesto de juristas intitulado “Basta” e pela campanha “Somos 70 por cento”, em referência à péssima aprovação do governo Bolsonaro, segundo a última pesquisa do Datafolha. O movimento #Somos70porcento foi lançado pelo economista Eduardo Moreira e cresceu em pouco tempo.  A hashtag foi um dos assuntos mais comentados no Twitter desde sexta-feira (29/05).

No manifesto “Basta”, juristas destacam que “o presidente da República faz de sua rotina um recorrente ataque aos Poderes da República, afronta-os sistematicamente. Agride de todas as formas os Poderes constitucionais das unidades da Federação, empenhados todos em salvar vidas. Descumpre leis e decisões judiciais diuturnamente porque, afinal, se intitula a própria Constituição. O país é jogado ao precipício de uma crise política quando já imerso no abismo de uma pandemia que encontra no Brasil seu ambiente mais favorável, mercê de uma ação genocida do presidente da República”. Veja manifesto na íntegra.

A FASUBRA Sindical também tem atuado nas frentes contra o fascismo e o governo Bolsonaro desde o início. Nesta semana será realizada reunião da frente dos movimentos sociais pelo impeachment para definir ações conjuntas de mobilizações. Além disso, a Federação também tem atuado junto ao Fonasefe (Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais), para pressionar os parlamentares a se posicionarem diante de tantas denúncias contra o governo. É fundamental, neste momento, buscar unidade, aumentar as ações, protestos e, finalmente, derrotar este governo!

Fora Bolsonaro e Mourão!

Todas as Vidas Importam!

Pela Vida Acima do Lucro!

Foto: Reprodução