Fasubra Sindical

Switch to desktop Register Login

Dia Nacional de Luta contra a violência à mulher

Em 2016, só no estado do RJ, 68%  dos companheiros e ex-companheiros, familiares, amigos, conhecidos ou vizinhos foram responsáveis por casos de violência física contra a mulher.

 

Em pleno Século XXI, muitas questões no seio da sociedade já deveriam estar superadas, devido ao acesso à informação. A luta pela igualdade de gênero avançou em certos termos, porém, houve um aumento significativo da violência relacionada à mulher. Em agosto o Instituto de Segurança Pública (ISP) do estado do Rio de Janeiro lançou a 12ª edição do Dossiê Mulher, que aponta no número crescente da violência doméstica contra a mulher.

 

Dormindo com o inimigo

Em 2016, só no estado do RJ, 68%  dos companheiros e ex-companheiros, familiares, amigos, conhecidos ou vizinhos foram responsáveis por casos de violência física, 65% da violência psicológica e 38% da violência sexual sofrida por mulheres. Os dados são de um universo pequeno diante do tamanho de um país continental como o Brasil.

 

Os números são alarmantes e mostram que muitas mulheres brasileiras dormem com o inimigo. O lar que seria o local de segurança se torna palco de acontecimentos horríveis, omitidos pelo medo.

 

O Dia Nacional de Luta contra a violência à mulher, lembrado no dia 10 de outubro, alerta todas as mulheres, principalmente trabalhadoras técnico-administrativas em educação, a não aceitar qualquer forma de violência.

 

A FASUBRA Sindical permanece com a bandeira histórica de luta em defesa da mulher e o empoderamento feminino nos espaços de poder. A violência se configura em diversas formas e não podemos admitir  

 

Para auxiliar as mulheres, separamos diversas formas de violência contra a mulher:

 

Violência emocional - humilhar, xingar e diminuir a autoestima;

 

Violência psicológica - tirar a liberdade de crença;

 

Gaslighting -  abuso mental que consiste em distorcer os fatos e omitir situações para deixar a vítima em dúvida sobre a sua memória e sanidade. Ou seja, fazer a mulher achar que está ficando louca.

 

Controlar e oprimir a mulher - comportamento obsessivo do homem sobre a mulher, como querer controlar o que ela faz, não deixá-la sair, isolar sua família e amigos ou procurar mensagens no celular ou e-mail.

 

Violência moral - expor a vida íntima do casal para outros, como por exemplo vazar fotos íntimas nas redes sociais como forma de vingança.

 

Violência física - atirar objetos, sacudir e apertar os braços com a intenção de machucar, sacudir e segurar com força uma mulher.

 

Violência sexual - forçar atos sexuais desconfortáveis, ou que causam repulsa, como a realização de fetiches, também é violência.

 

Impedir a mulher de prevenir a gravidez ou obrigá-la a abortar

 

Violência patrimonial - controlar o dinheiro ou reter documentos de uma mulher contra a sua vontade, assim como guardar documentos pessoais da mulher. Quebrar objetos da mulher.

 

A liberdade da mulher deve ser respeitada!

 

Com informações: EBC

 

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

 

Dia Nacional de Luta em defesa da Educação Pública

 

FASUBRA orienta a realização de atos fora das instituições de ensino e atividades na praças para dialogar com a população.

 

Nos dias 09 e 10 de outubro, a FASUBRA Sindical convoca todas as entidades filiadas para o Dia Nacional de Luta em Defesa da Educação Pública, com a realização de atos fora das instituições de ensino, para dialogar com a população. A realização de rodadas de Assembleias na primeira quinzena de outubro é importante para discutir o indicativo de greve para 23 de outubro.

 

A luta permanece contra o PLS 116/17, que permite a demissão do servidor público por ineficiência de desempenho, aprovado na Comissão de Constituição e Justiça  (CCJ), no dia 04 de outubro. A matéria será analisada em outras três comissões. Mas também teremos que ficar bem atentos, porque existe a possibilidade de um Senador requerer pedido de urgência na matéria e o PLS ir direto ao Plenário.

 

Pauta de lutas:

  • Contra o pacote anti-servidor - Programa de Demissão Voluntária (PDV),  redução de salário e de jornada de trabalho

  • Contra o PLS 116/17

  • Contra o aumento da contribuição previdenciária dos servidores públicos federais de 11% para 14%

  • Contra o corte de orçamento e contingenciamento de investimentos nas IFES

  • Contra a demissão em massa de trabalhadores terceirizados.

  • Contra a extinção das universidades estaduais, demissão de servidores ativos, extinção de benefícios contribuição previdenciária para inativos, alíquota extra de contribuição previdenciária (além dos 14% já aprovados), extinção de mais empresas públicas (além da CEDAE), fim da oferta de ensino superior, reforma do Regime Jurídico Único dos Servidores.

  • Em defesa dos trabalhadores técnico-administrativos

  • Em defesa da Carreira

  • Em defesa dos hospitais universitários

  • Em defesa das instituições federais de ensino

  • Em defesa da Educação Pública

  • Em defesa do SUS e de uma saúde de qualidade

  • Pela revogação da Reforma Trabalhista

  • Pelo fim da Terceirização

  • Contra a Reforma da Previdência Social

  • Contra as privatizações e em defesa da soberania nacional

 

A FASUBRA reforça a unidade com outras categorias, como os metalúrgicos que aprovaram 10 de novembro como “Dia Nacional de Luta e Defesa de Nossos Direitos”, com realização de greves, paralisações e manifestações em todos país.  

 

A Plenária Nacional dos Trabalhadores da Indústria realizada pelo Movimento Brasil Metalúrgico, publicou uma carta no dia 29 de setembro, "Um chamado à luta dirigido à classe trabalhadora brasileira". O documento destaca o período inédito de escândalos de corrupção no governo e Congresso Nacional e considera a perda da soberania nacional por meio da política econômica de privatização das principais empresas estatais, um retrocesso ao país.

Link da carta aqui!

Os metalúrgicos chamam a classe trabalhadora à luta. "O povo não irá aceitar esta imposição. Os trabalhadores brasileiros, organizados em suas entidades de classe, vão resistir e lutar contra as reformas ultrajantes de um governo repudiado por 97% da população. O trabalhador não é responsável pela crise nas finanças públicas, muito menos pela recessão da economia e, ao longo da história, já fez sacrifícios demais. Recusamo-nos a pagar mais esta conta".

 

Entre as ameaças de retrocessos e retirada de direitos, o movimento dos metalúrgicos afirma apoio à luta dos servidores públicos e o fortalecimento das campanhas salariais em todo o país.

 

A FASUBRA convoca a todos e todas neste momento a permanecer na luta, realizando atos em defesa da carreira e educação pública, construindo a greve em outubro.

Direção Nacional da FASUBRA Sindical  

Confira as informações sobre o Ato Nacional, Seminário LGBTI e Plenária Nacional que acontece no RJ

 

 

 

 

Dia 19 de outubro acontece o Ato Nacional em Defesa da Educação Pública e Soberania Nacional, na Concha Acústica da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) às 14h.

 

A atividade, deliberada na última plenária nacional, busca fortalecer a unidade do campo da educação, sindical e estudantil, na resistência aos ataques que promovidos pelo Governo Temer.

 

A FASUBRA orienta a realização de atos em todo o país no dia 19 de outubro. Em especial, que as entidades enviem delegados e delegadas de todo o país para participar da atividade, bem como caravanas de entidades próximas ao Rio de Janeiro, engrossando as fileiras da manifestação de rua.

 

Na sequência, acontece o II Seminário LGBTI da FASUBRA no dia 20 de outubro, no Rio de Janeiro. Nos dias 21 e 22 de outubro, acontece a Plenária Nacional da Federação, no Hotel Golden Park Rio.

 

Pauta

 

Nesta plenária serão apresentados os informes nacionais e de base, será realizada a análise de conjuntura, indicativo de greve, o Congresso da FASUBRA (CONFASUBRA) e encaminhamentos.

 

Credenciamento Online

 

O credenciamento online para próxima Plenária Nacional da FASUBRA Sindical que acontece de 21 a 22 de outubro no Rio de Janeiro-RJ, já está disponível no link: https://form.jotformz.com/61373487068666.

 

As entidades filiadas devem encaminhar no prazo de quatro dias antes da Plenária:

 

  • Comprovante de pagamento da mensalidade com a FASUBRA;

  • Ata com o nome dos delegados titulares eleitos e suplentes;

  • Lista de presença em papel timbrado digitalizada ou as folhas digitalizadas do livro de ata em que contiver o registro da assembleia;

 

  • Informe de Base (IB) digital – em Word – para ser disponibilizado na pasta dos delegados, a fim de que, todos os presentes tenham acesso às informações.

 

O Informe de Direção (ID) também será disponibilizado na pasta dos delegados. A FASUBRA enviará o comprovante de credenciamento ou informação de pendências, no máximo 24 horas antes da realização da Plenária. O local do evento será divulgado em breve.

 

Serviço 

Plenária Nacional Estatutária 

Data: 21 e 22 de outubro de 2017 

Hora: 9h 

Local: Hotel Golden Park Rio - Rio de Janeiro

 

Informações de hospedagem 

Hotel Golden Park Rio - Rio de Janeiro-RJ 

1) Apartamento Single - R$ 154,00 

2) Duplo - R$ 165,00 

3) Triplo - R$ 198,00

 

Endereço - R. do Rússel, 374 - Glória, Rio de Janeiro - RJ, CEP. 22210-010 

Telefone: (21) 2555-2700 

Rio de Janeiro-RJ

 

Contato para reservas - Joice Gums 

e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  

www.nacionalinn.com.br

 

Agenda de Lutas

 

09 e 10 de outubro - Dias Nacional de Luta – com atos fora da Universidade  e atividades na praças, dialogando com a população

 

10 de outubro - Dia Nacional de Luta contra a violência à mulher

 

19 de outubro - Ato Nacional no Rio de Janeiro e nos estados

 

20 -de outubro - II Seminário LGBTI - Rio de Janeiro

 

21 e 22 de outubro - Plenária Nacional da FASUBRA na cidade do Rio de Janeiro  

 

23 de outubro - Data provável para  Greve Nacional, flexível, em caso de acordos de greve unitária com outras categorias, em que precisamos ajustar a data da deflagração. A Federação orienta rodada de assembleias na primeira quinzena de outubro, para discussão das propostas em todas as entidades de base, enviando retorno para a FASUBRA.

 

24 de outubro - Dia Internacional de Ação Pela Despatologização das Trans

 

28 de outubro - Dia do Servidor Público (art. 236 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990)

 

Atualizado: 06/10/2017 às 16h18

 

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

 

 

Vem aí o II Seminário LGBTI, Quanto + LGBTI melhor!

 

O evento contará com espaço para exposição de trabalhos e produtos.

 

No dia 20 de outubro acontece o II Seminário LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais), no Hotel Golden Park Rio, na cidade do Rio de Janeiro. O evento promovido pela FASUBRA Sindical é organizado pela coordenação de Políticas Sociais e Gênero, representada pelos coordenadores Wellington Pereira e Francisco de Assis.  

 

A segunda edição do seminário com o tema “Quanto + LGBTI melhor”, tem como objetivo proporcionar visibilidade à questão de gênero na Federação.

 

Valorização da diversidade sexual e de gênero

Para a coordenação de Políticas Sociais e Gênero, houve avanços nas políticas públicas, conquistados com a luta dos movimentos LGBTI nas últimas décadas. Porém, para o enfrentamento à lgbtfobia e efetivação de direitos são fundamentais os espaços de organização, discussão, formação de redes e visibilidade.

 

A criminalização da LGBTfobia, o reconhecimento das identidades de gênero e a despatologização da Identidade TRANS, ainda são pautas marginais no âmbito das políticas públicas. “Apesar da visibilidade e parcos direitos conquistados, ainda são chocantes os números de assassinatos e violência cotidiana contra as pessoas LGBTI, especialmente transexuais negras/os e periféricas/os”.  

 

A violência institucional também afeta sobremaneira as pessoas LGBTI, que acabam, muitas vezes, expropriadas do direito à educação e saúde, excluídas do mundo do trabalho e da convivência familiar e comunitária.

 

Os coordenadores destacam a importância em avançar nas propostas de construção da política institucional de valorização da diversidade sexual e de gênero na Federação, nas universidades e na sociedade como um todo.

 

O evento é uma preparação para o III Seminário LGBTI da FASUBRA, e pretende dar sequência aos encaminhamentos do I  Seminário LGBT, realizado em Brasília-DF, no ano de 2014.

 

Programação

Será realizada uma mesa redonda formada por trabalhadores técnico-administrativos em educação que atuam e pesquisam  o tema. Também serão organizados grupos de discussão temáticos, para compartilhar a vivência do trabalhador LGBTI no ambiente do serviço público.  

 

O seminário será encerrado com uma apresentação do Teatro do Oprimido e produção de uma carta coletiva à FASUBRA Sindical, para fomentar a realização do próximo seminário e a criação de um grupo de trabalho LGBTI no âmbito da Federação.

 

Exposição

O evento contará com espaço para exposição de trabalhos e produtos. A proposta de exposição é um pequeno recorte da produção de artes dos trabalhadores LGBTI das instituições de ensino, que inscreverem seus trabalhos.

 

Performances

As inscrições para intervenção performances que dialoguem sobre as questões políticas deverão ser enviadas até o dia 17 de outubro às 17h, nos e-mails: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. e   O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

 

Foram convidados para o evento a coordenação da Fasubra;  Diretoria da Diversidade da UnB; Associação Mães pela Diversidade, além de lideranças de entidades na defesa dos direitos de pessoas transexuais e travestis.

 

Serviço

II Seminário LGBTI

Data: 20 de outubro (antecedendo a Plenária Ordinária da Fasubra);

Horário: 09h às 19h

Local: a definir

 

Coordenação de Políticas Sociais e Gênero

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

Nota em apoio à greve dos trabalhadores e trabalhadoras dos Correios


 

A FASUBRA Sindical expressa solidariedade e apoio à greve dos trabalhadores e trabalhadoras da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), iniciada no dia 19 de setembro. Após sucessivos adiamentos das negociações por parte dos Correios, negligenciamento de pautas e falta de debate referente à cláusulas sobre saúde, os trabalhadores e trabalhadoras deflagraram a greve, considerada abusiva pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST).

 

Publicada no dia 28 de setembro, a decisão do vice-presidente do TST, ministro Emmanoel Pereira, acontece em um momento de adesão da maioria dos trabalhadores. Os Correios ameaçam descontar os dias parados na folha de pagamento de setembro e outubro, inclusive dos benefícios. Os trabalhadores lutam contra a privatização da empresa e pela Campanha Salarial 2017/2018.

 

Para a FASUBRA, a medida é calculada com objetivo de evitar a unificação com outras campanhas salariais e indicativos de greves no segundo semestre de 2017. A Federação solicita às entidades de base filiadas a comparecer nas assembleias e piquetes dos companheiros e companheiras dos Correios em apoio à greve.

 

Direção Nacional FASUBRA Sindical