Fasubra Sindical

Switch to desktop Register Login

FASUBRA participa da organização do V Seminário Unificado de Imprensa Sindical

 

Com data prevista para setembro, o evento é voltado para jornalistas e diretores do movimento sindical.

 

Na tarde de terça-feira, 25, a FASUBRA Sindical e entidades do movimento sindical reunidos na sede do Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal (SJDF), discutiram a programação do V Seminário Unificado de Imprensa Sindical. Em sua quinta edição, o evento é voltado para jornalistas e diretores do movimento sindical, com data prevista para a primeira quinzena de setembro.

 

As primeiras edições do seminário foram realizadas na região sul do país pelo Fórum de Comunicação da Classe Trabalhadora de Santa Catarina. Neste ano, o SJDF será o anfitrião do evento que acontece em Brasília-DF.

 

 

De acordo com Renata Maffezoli, coordenadora geral do SJDF, o objetivo é “trazer o evento para uma área mais central, para que jornalistas de todo país participem, discutindo como a imprensa sindical vem atuando na luta contra os ataques à classe trabalhadora”.

 

As discussões serão sobre a imprensa sindical, o conteúdo produzido pelos jornalistas, as pautas do cotidiano, conjuntura nacional e como funciona a comunicação nas entidades. O tema central será os desafios da comunicação sindical na luta contra as reformas e os ataques à classe trabalhadora. As inscrições serão divulgadas em breve.

 

No Brasil, 58% dos brasileiros acessam a internet, são 102 milhões de internautas, segundo pesquisa TIC Domicílios de 2015. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2015 o celular se consolidou como principal fonte de informação da população brasileira.

 

No ranking de acesso às redes sociais e uso das tecnologias, o Brasil é o segundo colocado. Isso revela a mudança no comportamento do brasileiro quando o assunto é informação, principalmente entre os mais jovens. Assim, é imprescindível que o movimento sindical acompanhe as mudanças e invista em novas tecnologias para alcançar todos os trabalhadores.

 

Essencial

Para a FASUBRA, o jornalismo sindical é peça chave na difusão da política de luta da classe trabalhadora, essencial nos dias atuais em que a tecnologia e a comunicação são indissociáveis em um mundo globalizado.

 

 


 

 

“A defesa da Categoria na luta por manutenção e ampliação de direitos em um cenário neoliberal tem como estratégia a comunicação com os trabalhadores, mobilizando e divulgando as ações de resistência”.

 

A comunicação contra-hegemônica deve permear o movimento sindical, garantindo a liberdade de expressão e empoderamento dos trabalhadores nos espaços de poder. Principalmente apresentar a versão do trabalhador e contrapor a mídia tradicional.

 

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

Desgoverno de Temer lança PDV para o funcionalismo aumentando o sucateamento no serviço público

 

Quem deve ser demitido é o Presidente - Fora Temer !!!

 

Na tarde de segunda-feira, 24, o governo federal ilegítimo de Michel Temer causou espanto no funcionalismo público após anunciar um Programa de Demissão Voluntária (PDV) e redução de salário e jornada de servidores públicos federais.

 

O governo pretende oficializar o anúncio por meio de medida provisória (MP) e a intenção é atingir cerca de cinco mil servidores. A proposta também é implementar a redução de jornada de trabalho, de 8h diárias para 6h ou 4h, com redução do salário. Assim, os servidores podem optar trabalhar 40h, 30h ou 20h semanais.

 

A desculpa do governo é a mesma, racionalizar gastos públicos e proporcionar crescimento econômico. De acordo com a FASUBRA, a situação atual já é crítica na prestação de serviços públicos à população, em especial na saúde e educação. “Ao invés de priorizar a auditoria da dívida pública e combater a corrupção, o governo mais uma vez responsabiliza os trabalhadores pela crise, agora culpabilizando os servidores concursados”.

 

Enquanto isso, os recursos para assegurar a remuneração dos detentores dos títulos da dívida pública só  aumenta , seja para agradar a base parlamentar do governo, seja para aprovar as reformas anti-populares. Ou seja, Temer mantém a tentativa de evitar seu afastamento, em decorrência das denúncias por envolvimento em corrupção e propinas.

 

Nos termos do neoliberalismo, a lógica segue o processo de desmonte do serviço público atacado em todas as lacunas, pelas reformas fiscal (EC 95/16), trabalhista (PLC 38/17) e a Terceirização já aprovadas. Também por meio de algumas reformas em curso, como da Previdência (PEC 257/16) que tramita na Câmara dos Deputados, com previsão para concluir a votação até o final de agosto. De quebra, as políticas públicas e o bem estar social dá lugar ao mercado financeiro e pagamento da dívida pública, que segundo a Auditoria Cidadã da Dívida, em 2017 está crescendo cerca de R$ 100 bilhões ao mês, atingindo R$ 4,727 trilhões em março.  

 

Caos na educação

A redução de investimentos em políticas públicas tem deixado instituições públicas de ensino à beira da falência, sem recursos para a ciência. A previsão para setembro é de inviabilidade de funcionamento de diversas universidades federais. Entre as quais a Universidade de Brasília (UnB), que às portas da retomada de aulas em agosto, demitiu centenas trabalhadores terceirizados nesta semana, devido a redução de verbas do governo federal.

 

Abandono da Saúde

O abandono do Sistema Único de Saúde (SUS) pelo governo foi denunciado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) por meio de um dossiê de 15 mil páginas, entregue ao Ministério da Saúde, na última semana.

 

Segundo o estudo publicado hoje no Correio Braziliense, o governo destina maiores recursos para o gasto privado com saúde e menos para o serviço público. Baseado em dados da Controladoria-Geral da União (CGU), constataram que o Brasil investe pouco em saúde pública em comparação com países que adotam o atendimento público, universal e gratuito, 44% a menos de recursos no orçamento.

Nos últimos 14 anos, as distorções ou uso irregular de recursos públicos na saúde chegaram a 15,9 bilhões.

 

Custos com o Congresso Nacional

Com isso, o trabalhador brasileiro continua a conviver com as altas despesas do  Congresso Nacional que custam aos cofres públicos R$ 1,1 milhão por hora. De acordo com a organização não governamental Contas Abertas, a Câmara dos Deputados já empenhou R$ 5,3 milhões para prestação de serviços na área de vigilância armada e desarmada para garantir a aprovação das votações em agosto.

 

O Senado Federal alugou 85 carros zero-quilômetro por R$ 8,3 milhões, durante 30 meses, segundo o blog Expresso de Época. “Dois carros são especiais. Eles têm 250 cavalos de potência, ar-condicionado com duas zonas, película antivandalismo, central multimídia com tela touch com rádio integrado e leitor de CD, MP3, GPS, DVD, Bluetooth e USB. Há também câmera de ré e comandos no volante. O aluguel de cada um dos carros mais luxuosos custará R$ 9.300 por mês”.

 

A FASUBRA reforça a paralisação e atos nas reitorias no dia 02 de agosto, Dia Nacional de Luta em defesa das instituições de ensino públicas e por abertura de negociações. Contra o PDV e o desmonte dos serviços públicos promovidos pelo Governo Federal !!!

 

Quem deve ser demitido é o Presidente - Fora Temer !!!

 

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

 

Inscrições abertas para o XXVI Seminário Nacional de Segurança das IPES e EBTT

 

Evento acontece de 30 de setembro a  06 de outubro na Universidade Federal de Goiás (UFG) .

Goiânia-GO será a anfitriã do XXVI Seminário Nacional de Segurança dos Institutos Públicos de Ensino Superior (IPES) e Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT). O evento realizado pelo Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições Federais de Ensino Superior do Estado de Goiás (SINT-IFESgo), com apoio da FASUBRA Sindical acontece a partir do dia 30 de setembro a 06 de outubro na Universidade Federal de Goiás (UFG). O público alvo são os vigilantes de diversas universidades de todo o país.

Temas atuais

Na programação, serão abordados temas atuais como as consequências gerais das reformas, a segurança no contexto das reformas, a autonomia universitária e atuação da polícia nas instituições federais de ensino. Também será pauta de discussão a política na segurança da Fasubra, a experiência na UFG.

Serão ministrados mini-cursos sobre Criminologia: drogas e violência e Gênero e Assédio Moral. Serão realizadas atividades culturais e esportivas e no último dia acontece a eleição e posse da comissão organizadora para o próximo seminário.

Durante a reunião os coordenadores apresentaram os informes referentes a segurança nas universidades em que trabalham. Também foram unânimes sobre as demissões em massa de trabalhadores terceirizados nas instituições, entre os quais vigilantes, o que vem causando muita preocupação no interior das universidades e institutos.  

De acordo com a organização, “o concurso para o cargo de vigilante não acontece há mais de 20 anos; enquanto isso, ocorre um grande número de aposentadorias desses servidores. A demissão dos vigilantes terceirizados está sobrecarregando os poucos vigilantes efetivos que ainda restam nos quadros das IFES e EBTT”, denunciaram os organizadores.

Confira a programação aqui!

 

Serviço

XXVI Seminário Nacional de Segurança das IPES e EBTT

Data: 30 de setembro e 01, 02, 03, 04, 05, 06 de outubro

Local: Universidade Federal de Goiás (UFG) - SINT-IFESgo

As inscrições estão abertas até o dia 15 de setembro. Acesse o formulário de inscrição aqui!

Mais informações: SINT-IFESgo

Telefone: 0xx (62) 3261-4465 / 3261-2149

E-mail:   O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

25 de julho - Dia da Mulher Negra da América Latina e Caribe

 

Data é um importante momento  de reflexão sobre a realidade, identidade, luta e o papel da mulher negra na sociedade.

 

A luta das mulheres negras por espaço e reconhecimento na sociedade, contra todas as formas de discriminação e opressão, ganha novo fôlego no dia 25 de julho, marcado como Dia da Mulher Negra da América Latina e Caribe. É uma importante data de reflexão sobre a realidade, identidade, luta e o papel da mulher negra na sociedade contemporânea.

 

A identidade da mulher negra latinoamericana e seu papel na sociedade, muitas vezes negado na formação da cultura nacional, tem revelado a força necessária para confrontar a invisibilidade histórica  e empoderar as mulheres.

 

A pobreza, a marginalização e o racismo impactam diretamente a vida dos 200 milhões de afrodescendentes da América Latina e do Caribe, principalmente as mulheres negras. Ainda há muito que fazer, principalmente no combate à violência e à desigualdade social, diante do aumento dos índices nos últimos anos.

 

O trabalho duro da mulher negra expresso no cotidiano é reflexo de um passado difícil, de servidão e opressão. Atualmente, as mulheres negras mostram que a força é uma característica que preenche as lacunas da fragilidade do mundo feminino, de fundo branco. Ainda, em um mundo de estereótipos da beleza, enraizados na cultura europeia, a aceitação do cabelo encaracolado, crespo, dos traços de matriz africana nas últimas décadas revelou o orgulho em ser negra.

 

A FASUBRA Sindical  tem reforçado a abertura de espaços de discussão e diálogo para as mulheres. No último Encontro Nacional da Mulher Trabalhadora, realizado em maio de 2017, o empoderamento e disposição para a luta marcou o evento. Foram apresentadas 68 propostas pelos grupos de trabalho para fortalecer a atuação das mulheres nas entidades de base e na Federação.

 

Também foi instituído o Coletivo de Mulheres Negras da FASUBRA, que já conta com um grupo no aplicativo WhatsApp, com o objetivo  de promover uma forma rápida de comunicação entre as mulheres negras da base da FASUBRA.

 

História

 

O Dia da Mulher Negra da América Latina e Caribe foi criado em 25 de julho de 1992, no primeiro Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-Caribenhas, em Santo Domingo República Dominicana, considerado marco internacional da luta e da resistência da mulher negra.

 

No Brasil, a data foi instituída pela Lei 12.987 de 2014, como o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra, importante líder quilombola do século 18.

 

Benguela era casada com José Piolho, chefe do quilombo do Piolho ou Quariterê localizado nos arredores de Vila Bela da Santíssima Trindade, no Mato Grosso. Após a morte de Piolho, Tereza se tornou líder do quilombo.

 

Com a perseguição para captura dos negros fugitivos apoiado pelo governo, Tereza de Benguela foi presa numa emboscada e morreu por inanição após sua captura.

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

Coordenação da Mulher Trabalhadora

Coordenação de Políticas Sociais e Gênero

 

Os ventos que trazem agosto

 

Para resistir na luta, A FASUBRA Sindical convoca os trabalhadores técnico-administrativos em educação para engrossar as fileiras de mobilização no dia 02 de agosto

 

O Congresso Nacional está em recesso, porém, a ansiedade paira no funcionalismo público. Os ventos que trazem o mês de agosto são de uma batalha não acabada. A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2018 foi enviada para sanção presidencial, elaborada dentro do Novo Regime Fiscal (NRF), após a sanção da Emenda Constitucional n º95/16, que reduz investimentos em políticas públicas.

 

O Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) 1/2017, que prevê diretriz e metas orçamentárias da administração pública, fecha o quinto ano consecutivo com as contas públicas no vermelho. O déficit primário é de R$ 131, 3 bilhões para 2018.

 

O parecer aprovado proíbe a concessão de reajustes salariais posteriores ao término do mandato presidencial e restringe as admissões de novos servidores públicos. A posse de novos servidores ocorrerá apenas para reposição (total ou parcial) de vagas surgidas entre 15 de dezembro de 2016 (data em que entrou em vigor do Novo Regime Fiscal) e 31 de dezembro de 2017; para substituição de pessoal terceirizado; para as Forças Armadas; e para cargos custeados pelo Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF) — toda a área de segurança local.

 

Contingenciamento

O governo não descarta a possibilidade de suspender a liberação de R$ 4 bilhões para órgãos públicos, atingindo diretamente a prestação de serviços públicos. Atualmente, o contingenciamento do governo tem estrangulado o funcionamento em muitos órgãos, como é o caso das instituições públicas de ensino, que sofreram corte de 45%. De acordo com a FASUBRA, a redução orçamentária inviabiliza o funcionamento das universidades a partir de setembro.

 

Aumento de impostos

Rodrigo Maia, presidente da câmara dos Deputados sinalizou que a única alternativa para fechar as contas é o aumento de impostos.

 

Reforma da Previdência

A Reforma da Previdência em pauta no plenário da Câmara continua na mira do governo, para ser votada até o fim de agosto. Maia avisou que a Medida Provisória com pontos polêmicos da reforma trabalhista, como o trabalho intermitente e alternativas ao imposto sindical, será derrotada na Casa.

 

Reforma trabalhista

Em entrevista à Folha de São Paulo, o procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury criticou a falta de debate da matéria no Congresso e disse que o Brasil ainda tem uma cultura escravocrata. Segundo Fleury, a reforma beneficia maus empregadores e institucionaliza fraudes praticadas. A melhoria da fiscalização poderia reduzir os processos trabalhistas, e talvez nem precisasse da Justiça do Trabalho, afirmou o procurador.

 

Após a sanção da matéria, bancos reabriram programas de demissão voluntária como a Caixa (5 mil vagas para corte), o Banco do Nordeste e Bradesco.  

 

Demissão de servidores públicos

No Senado Federal, tramitam duas propostas para o serviço público. O Projeto de Lei do Senado nº 200/2017, que torna automática a perda da função do agente público condenado por corrupção. Para o autor da matéria, senador Cristovam Buarque (PPS/DF), a intenção é corrigir a falha no ordenamento e por fim a situações constantemente noticiadas nos veículos de comunicação, em que agentes públicos, inclusive políticos, se valem dos cargos e funções ocupadas para enriquecerem ilicitamente em detrimento da administração pública e, quando finalmente são condenados, continuam fazendo jus aos vencimentos mensais.

 

Já o Projeto de Lei nº 116/2017 prevê a demissão de servidores públicos concursados, inclusive dos que já passaram e foram aprovados em estágio probatório. De autoria da senadora Maria do Carmo Alves (DEM/SE), o texto prevê que servidores públicos de todo o país devem passar por uma avaliação de desempenho semestral.

 

Os que receberam nota inferior a 30% em quatro avaliações consecutivas serão exonerados, independente da estabilidade. Também perderão o cargo aqueles que tiverem desempenho inferior a 50% nas últimas dez avaliações. O Servidor será avaliado pelo chefe imediato, indicado politicamente, sem concurso público.

 

O projeto deve receber decisão terminativa na Comissão de Assuntos Sociais. Caso seja aprovado segue direto para a Câmara.

 

Campanha Salarial

Para resistir na luta, A FASUBRA Sindical convoca os trabalhadores técnico-administrativos em educação para engrossar as fileiras de mobilização no dia 02 de agosto, Dia Nacional de Luta em defesa das instituições de ensino públicas, e por abertura de negociações. No mesmo dia acontece a apreciação pelo Plenário da Câmara dos Deputados de novas denúncias contra Temer, apresentadas pela Procuradoria Geral da República (PGR), que podem resultar no afastamento de Temer da presidência.

 

Também será desenvolvida pressão sobre os parlamentares nos aeroportos no dia 1º de agosto, como parte do processo de pressão e de construção de manifestações.

 

Pauta específica

*Inflação do período de 2015 a 2017, mais 2% de aumento real no piso da carreira.

*Reajuste dos benefícios com o mesmo índice, com diferencial para o Plano de Saúde no qual queremos um reajuste que acompanhe os reajustes da Agência Nacional de Saúde (ANS).

*Não ao corte de recursos no orçamento destinados à educação e recomposição das perdas do último período.

*Nenhuma interferência do governo e órgãos de controle em ações judiciais ganhas pelos trabalhadores.

* Nomeação imediata dos reitores eleitos pela comunidade universitária.

* Contra a Lei da Mordaça e a Reforma do Ensino médio.

 

Com informações: Agência Senado

 

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical