Fasubra Sindical

Switch to desktop Register Login

Dia Internacional de Luta pela eliminação da discriminação racial

 

Foram 388 anos de escravidão do povo africano em terras brasileiras, profundamente arraigada por meio da discriminação e preconceito.

 

Hoje, 21 de março, Dia Internacional de Luta pela eliminação da discriminação racial e por igualdade, vivemos uma intervenção militar na cidade do Rio de Janeiro-RJ, que atinge principalmente moradores dos morros e favelas. São cidadãos em sua maioria negros e negras que permanecem à margem da sociedade, distantes dos espaços de poder. O resultado disso é a  criminalização da pobreza e genocídio do povo negro.

 

Todos os dias os moradores de morros e favelas cariocas são colocados em posição de constrangimento, revistados, fotografados e observados, inclusive crianças. A violência, linha que fundamenta fragilmente a intervenção militar no RJ, se tornou coadjuvante na cena do crime, diante do aumento significativo da execução do povo negro.

 

Atlas da Violência

A população negra no Brasil atualmente corresponde a 78,9% dos brasileiros, de acordo com o Atlas da Violência de 2017. A cada 100 pessoas assassinadas  no país, 71 são negras. A chance de um negro ser assassinado no Brasil é 23,5% maior que outras raças. O estudo publicado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública compara o assassinato de jovens negros a uma situação de guerra.

 

CPI Jovem

O extermínio de jovens negros tem sido alvo de debates pela Comissão Parlamentar de Inquérito destinada a apurar as causas, razões, consequências, custos sociais e econômicos da violência, morte e desaparecimento de jovens negros e pobres no Brasil (CPI Jovem), na Câmara dos Deputados. O assunto preocupa, principalmente após a intervenção militar.

 

Eu sou porque nós somos

Marielle Franco, vereadora na cidade do Rio de Janeiro pelo PSOL, foi executada no centro carioca por denunciar abusos da intervenção militar e policial nas comunidades. Negra, nascida e criada na favela da Maré, Marielle foi uma das poucas vozes do morro a alcançar espaços de poder em defesa dos direitos dos cidadãos que moram nas favelas fluminenses. A repercussão internacional de sua morte causou grande comoção e mobilização dos movimentos sociais e sindicais, despertou a revolta daqueles que lutam por igualdade e colocou em xeque a eficiência da intervenção militar.

 

Preconceito

Casos de injúria e discriminação racial são realidade no ambiente acadêmico e nos levam à reflexão sobre a sociedade que queremos.  Neste mês, João Gilberto Pereira Lima, estudante da Fundação Getúlio Vargas em São Paulo, foi vítima de injúria racial. Um aluno da mesma faculdade fotografou e compartilhou uma foto de Lima em uma rede social com o texto.  “Achei esse escravo no fumódromo! Quem for o dono avisa!” O autor da publicação foi suspenso por três meses. O mais preocupante é a dificuldade da população brasileira em admitir que é preconceituosa, principalmente nas redes sociais em que a discriminação é escancarada.

 

130 anos

Em termos de igualdade a população negra no Brasil continua à margem, principalmente nos quesitos econômicos e acesso à educação.  Há apenas 130 anos a Lei Áurea (abolicionismo) foi assinada e tardiamente aplicada. Foram 388 anos de escravidão do povo africano em terras brasileiras, profundamente arraigada por meio da discriminação e preconceito.

 

Racismo

O crime de racismo ou discriminação racial (Lei 7.716/890), é imprescritível e inafiançável. Segundo o Artigo I da Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial, racismo é qualquer distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada na raça, cor, ascendência, origem étnica ou nacional com a finalidade ou o efeito de impedir ou dificultar o reconhecimento e exercício, em bases de igualdade, aos direitos humanos e liberdades fundamentais nos campos político, econômico, social, cultural ou qualquer outra área da vida pública.

Exemplo de racismo: “negar emprego a judeus numa determinada empresa, impedir acesso de índios a determinado estabelecimento, impedir entrada de negros em um shopping, etc.”

 

Injúria racial

A injúria racial (artigo 140, § 3º do Código Penal Brasileiro) acontece quando alguém ofende a honra do próximo por causa da raça, cor, etnia, religião ou origem.

Exemplos de injúria racial: “negro fedorento, judeu safado, baiano vagabundo, alemão azedo, etc”.

 

História

O dia 21 de março foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) para lembrar a execução de 69 pessoas negras em uma manifestação pacífica contra o regime de segregação racial (Apartheid), na cidade de Sharpeville na África do Sul, no início da década de 1960. Recebidos à bala pelos policiais, os manifestantes foram mortos em frente à uma delegacia de polícia.

 

No Brasil, várias entidades do movimento social incorporaram a data em seus calendários de luta, dentre elas a FASUBRA, para que nunca nos esqueçamos de que toda forma de opressão precisa ser denunciada, rechaçada e eliminada cotidianamente, no nosso fazer diário, nas nossas relações pessoais, no trabalho, na escola, na família.

 

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical