Fasubra Sindical

Switch to desktop Register Login

25 de julho - Dia da Mulher Negra da América Latina e Caribe

 

Data é um importante momento  de reflexão sobre a realidade, identidade, luta e o papel da mulher negra na sociedade.

 

A luta das mulheres negras por espaço e reconhecimento na sociedade, contra todas as formas de discriminação e opressão, ganha novo fôlego no dia 25 de julho, marcado como Dia da Mulher Negra da América Latina e Caribe. É uma importante data de reflexão sobre a realidade, identidade, luta e o papel da mulher negra na sociedade contemporânea.

 

A identidade da mulher negra latinoamericana e seu papel na sociedade, muitas vezes negado na formação da cultura nacional, tem revelado a força necessária para confrontar a invisibilidade histórica  e empoderar as mulheres.

 

A pobreza, a marginalização e o racismo impactam diretamente a vida dos 200 milhões de afrodescendentes da América Latina e do Caribe, principalmente as mulheres negras. Ainda há muito que fazer, principalmente no combate à violência e à desigualdade social, diante do aumento dos índices nos últimos anos.

 

O trabalho duro da mulher negra expresso no cotidiano é reflexo de um passado difícil, de servidão e opressão. Atualmente, as mulheres negras mostram que a força é uma característica que preenche as lacunas da fragilidade do mundo feminino, de fundo branco. Ainda, em um mundo de estereótipos da beleza, enraizados na cultura europeia, a aceitação do cabelo encaracolado, crespo, dos traços de matriz africana nas últimas décadas revelou o orgulho em ser negra.

 

A FASUBRA Sindical  tem reforçado a abertura de espaços de discussão e diálogo para as mulheres. No último Encontro Nacional da Mulher Trabalhadora, realizado em maio de 2017, o empoderamento e disposição para a luta marcou o evento. Foram apresentadas 68 propostas pelos grupos de trabalho para fortalecer a atuação das mulheres nas entidades de base e na Federação.

 

Também foi instituído o Coletivo de Mulheres Negras da FASUBRA, que já conta com um grupo no aplicativo WhatsApp, com o objetivo  de promover uma forma rápida de comunicação entre as mulheres negras da base da FASUBRA.

 

História

 

O Dia da Mulher Negra da América Latina e Caribe foi criado em 25 de julho de 1992, no primeiro Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-Caribenhas, em Santo Domingo República Dominicana, considerado marco internacional da luta e da resistência da mulher negra.

 

No Brasil, a data foi instituída pela Lei 12.987 de 2014, como o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra, importante líder quilombola do século 18.

 

Benguela era casada com José Piolho, chefe do quilombo do Piolho ou Quariterê localizado nos arredores de Vila Bela da Santíssima Trindade, no Mato Grosso. Após a morte de Piolho, Tereza se tornou líder do quilombo.

 

Com a perseguição para captura dos negros fugitivos apoiado pelo governo, Tereza de Benguela foi presa numa emboscada e morreu por inanição após sua captura.

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

Coordenação da Mulher Trabalhadora

Coordenação de Políticas Sociais e Gênero

 

Inscrições abertas para o XXVI Seminário Nacional de Segurança das IPES e EBTT

 

Evento acontece de 30 de setembro a  06 de outubro na Universidade Federal de Goiás (UFG) .

Goiânia-GO será a anfitriã do XXVI Seminário Nacional de Segurança dos Institutos Públicos de Ensino Superior (IPES) e Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT). O evento realizado pelo Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições Federais de Ensino Superior do Estado de Goiás (SINT-IFESgo), com apoio da FASUBRA Sindical acontece a partir do dia 30 de setembro a 06 de outubro na Universidade Federal de Goiás (UFG). O público alvo são os vigilantes de diversas universidades de todo o país.

Temas atuais

Na programação, serão abordados temas atuais como as consequências gerais das reformas, a segurança no contexto das reformas, a autonomia universitária e atuação da polícia nas instituições federais de ensino. Também será pauta de discussão a política na segurança da Fasubra, a experiência na UFG.

Serão ministrados mini-cursos sobre Criminologia: drogas e violência e Gênero e Assédio Moral. Serão realizadas atividades culturais e esportivas e no último dia acontece a eleição e posse da comissão organizadora para o próximo seminário.

Durante a reunião os coordenadores apresentaram os informes referentes a segurança nas universidades em que trabalham. Também foram unânimes sobre as demissões em massa de trabalhadores terceirizados nas instituições, entre os quais vigilantes, o que vem causando muita preocupação no interior das universidades e institutos.  

De acordo com a organização, “o concurso para o cargo de vigilante não acontece há mais de 20 anos; enquanto isso, ocorre um grande número de aposentadorias desses servidores. A demissão dos vigilantes terceirizados está sobrecarregando os poucos vigilantes efetivos que ainda restam nos quadros das IFES e EBTT”, denunciaram os organizadores.

Confira a programação aqui!

 

Serviço

XXVI Seminário Nacional de Segurança das IPES e EBTT

Data: 30 de setembro e 01, 02, 03, 04, 05, 06 de outubro

Local: Universidade Federal de Goiás (UFG) - SINT-IFESgo

Inscrições serão disponibilizadas em breve no site: www.sint-ifesgo.org.br

Mais informações: SINT-IFESgo

Telefone: 0xx (62) 3261-4465 / 3261-2149

E-mail:   O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

#02A - Dia Nacional de Luta e Paralisações em defesa das instituições de ensino públicas, e por abertura de negociações de nossa pauta

 

Cortes no orçamento e investimento das instituições de ensino públicas geram insegurança na comunidade acadêmica.

 

A FASUBRA Sindical convoca todos as entidades sindicais filiadas representantes dos trabalhadores técnico-administrativos em educação a paralisar as atividades no Dia Nacional de Luta em defesa das instituições de ensino públicas, e por abertura de negociações, 02 de agosto. Também será desenvolvida pressão sobre os parlamentares nos aeroportos em 01 de agosto, como parte do processo de pressão e de construção de manifestações que se desenvolverão em 02 de agosto.

 

Em conformidade com as estratégias definidas pela categoria em nossa última plenária, a Direção Nacional da Fasubra antecipou em 1 dia a data aprovada na Plenária Nacional realizada em julho. As manifestações e a paralisação somam com a pressão sobre o Congresso Nacional,  no dia da apreciação pelo Plenário da Câmara de novas denúncias contra Temer, formuladas pela Procuradoria Geral da República (PGR), que podem resultar no afastamento de Temer da presidência.

 

A data será marcada por paralisações em todo o país. A FASUBRA orienta aos sindicatos que mobilizem a Categoria, realizando ações nas reitorias, para pressionar a administração superior em defesa das instituições e por negociação.

 

A Federação tem denunciado o corte orçamentário praticado pelo atual governo e o sucateamento das instituições de ensino públicas. A medida agravada pela sanção da Emenda Constitucional (EC) nº 95 de 2016, que reduz o investimento em políticas públicas pelos próximos 20 anos, inviabiliza o funcionamento das universidades.

 

Os cortes no orçamento e investimento geram insegurança na comunidade acadêmica. Em 2017 o custeio das universidades foi reduzido significativamente, comprometendo a expansão, consolidação e funcionamento das IFES, segundo a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes).

 

O contingenciamento para custeio das universidades foi de 30%, para manter serviços essenciais como a limpeza e segurança, ocasionando a demissão de trabalhadores terceirizados. O aumento de casos de estupro nos campi também preocupa trabalhadores e estudantes.

 

A falta de pagamento de contas de energia e água, sucateamento dos hospitais universitários devido a falta de materiais, medicamentos, leitos e quadro de pessoal, são problemas sérios, sem previsão de solução por parte do governo.

 

Em audiência pública no dia 13 de julho, na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, FASUBRA, Andifes e CONIF apresentaram dados alarmantes, que colocam em risco o funcionamento das instituições federais de ensino público. De acordo com a Federação, os recursos para o ensino privado permanecem em detrimento do contingenciamento do ensino público.

 

Diante das tentativas de abertura de diálogo pelo Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe), a qual a FASUBRA participa, o governo tem se calado . A pauta da Campanha Salarial para 2018, protocolada em fevereiro no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) continua sem resposta, mesmo diante de vários ofícios enviados solicitando abertura de negociação.

 

Em 37 anos de existência da FASUBRA Sindical, somente a luta levou à conquista por melhores condições de trabalho, salário, reconhecimento dos trabalhadores técnico-administrativos em educação, reconhecidos internacionalmente. “Isso é conquista da Categoria, e hoje não é diferente. A luta em conjunto com as demais entidades do serviço público por uma educação pública, gratuita, de qualidade, socialmente referenciada e por salários dignos é necessária” .

 

Em defesa das instituições de ensino públicas!

Por abertura de negociações, já!

Fora Temer!

 

Direção Nacional FASUBRA Sindical

Os ventos que trazem agosto

 

Para resistir na luta, A FASUBRA Sindical convoca os trabalhadores técnico-administrativos em educação para engrossar as fileiras de mobilização no dia 02 de agosto

 

O Congresso Nacional está em recesso, porém, a ansiedade paira no funcionalismo público. Os ventos que trazem o mês de agosto são de uma batalha não acabada. A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2018 foi enviada para sanção presidencial, elaborada dentro do Novo Regime Fiscal (NRF), após a sanção da Emenda Constitucional n º95/16, que reduz investimentos em políticas públicas.

 

O Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) 1/2017, que prevê diretriz e metas orçamentárias da administração pública, fecha o quinto ano consecutivo com as contas públicas no vermelho. O déficit primário é de R$ 131, 3 bilhões para 2018.

 

O parecer aprovado proíbe a concessão de reajustes salariais posteriores ao término do mandato presidencial e restringe as admissões de novos servidores públicos. A posse de novos servidores ocorrerá apenas para reposição (total ou parcial) de vagas surgidas entre 15 de dezembro de 2016 (data em que entrou em vigor do Novo Regime Fiscal) e 31 de dezembro de 2017; para substituição de pessoal terceirizado; para as Forças Armadas; e para cargos custeados pelo Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF) — toda a área de segurança local.

 

Contingenciamento

O governo não descarta a possibilidade de suspender a liberação de R$ 4 bilhões para órgãos públicos, atingindo diretamente a prestação de serviços públicos. Atualmente, o contingenciamento do governo tem estrangulado o funcionamento em muitos órgãos, como é o caso das instituições públicas de ensino, que sofreram corte de 45%. De acordo com a FASUBRA, a redução orçamentária inviabiliza o funcionamento das universidades a partir de setembro.

 

Aumento de impostos

Rodrigo Maia, presidente da câmara dos Deputados sinalizou que a única alternativa para fechar as contas é o aumento de impostos.

 

Reforma da Previdência

A Reforma da Previdência em pauta no plenário da Câmara continua na mira do governo, para ser votada até o fim de agosto. Maia avisou que a Medida Provisória com pontos polêmicos da reforma trabalhista, como o trabalho intermitente e alternativas ao imposto sindical, será derrotada na Casa.

 

Reforma trabalhista

Em entrevista à Folha de São Paulo, o procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury criticou a falta de debate da matéria no Congresso e disse que o Brasil ainda tem uma cultura escravocrata. Segundo Fleury, a reforma beneficia maus empregadores e institucionaliza fraudes praticadas. A melhoria da fiscalização poderia reduzir os processos trabalhistas, e talvez nem precisasse da Justiça do Trabalho, afirmou o procurador.

 

Após a sanção da matéria, bancos reabriram programas de demissão voluntária como a Caixa (5 mil vagas para corte), o Banco do Nordeste e Bradesco.  

 

Demissão de servidores públicos

No Senado Federal, tramitam duas propostas para o serviço público. O Projeto de Lei do Senado nº 200/2017, que torna automática a perda da função do agente público condenado por corrupção. Para o autor da matéria, senador Cristovam Buarque (PPS/DF), a intenção é corrigir a falha no ordenamento e por fim a situações constantemente noticiadas nos veículos de comunicação, em que agentes públicos, inclusive políticos, se valem dos cargos e funções ocupadas para enriquecerem ilicitamente em detrimento da administração pública e, quando finalmente são condenados, continuam fazendo jus aos vencimentos mensais.

 

Já o Projeto de Lei nº 116/2017 prevê a demissão de servidores públicos concursados, inclusive dos que já passaram e foram aprovados em estágio probatório. De autoria da senadora Maria do Carmo Alves (DEM/SE), o texto prevê que servidores públicos de todo o país devem passar por uma avaliação de desempenho semestral.

 

Os que receberam nota inferior a 30% em quatro avaliações consecutivas serão exonerados, independente da estabilidade. Também perderão o cargo aqueles que tiverem desempenho inferior a 50% nas últimas dez avaliações. O Servidor será avaliado pelo chefe imediato, indicado politicamente, sem concurso público.

 

O projeto deve receber decisão terminativa na Comissão de Assuntos Sociais. Caso seja aprovado segue direto para a Câmara.

 

Campanha Salarial

Para resistir na luta, A FASUBRA Sindical convoca os trabalhadores técnico-administrativos em educação para engrossar as fileiras de mobilização no dia 02 de agosto, Dia Nacional de Luta em defesa das instituições de ensino públicas, e por abertura de negociações. No mesmo dia acontece a apreciação pelo Plenário da Câmara dos Deputados de novas denúncias contra Temer, apresentadas pela Procuradoria Geral da República (PGR), que podem resultar no afastamento de Temer da presidência.

 

Também será desenvolvida pressão sobre os parlamentares nos aeroportos no dia 1º de agosto, como parte do processo de pressão e de construção de manifestações.

 

Pauta específica

*Inflação do período de 2015 a 2017, mais 2% de aumento real no piso da carreira.

*Reajuste dos benefícios com o mesmo índice, com diferencial para o Plano de Saúde no qual queremos um reajuste que acompanhe os reajustes da Agência Nacional de Saúde (ANS).

*Não ao corte de recursos no orçamento destinados à educação e recomposição das perdas do último período.

*Nenhuma interferência do governo e órgãos de controle em ações judiciais ganhas pelos trabalhadores.

* Nomeação imediata dos reitores eleitos pela comunidade universitária.

* Contra a Lei da Mordaça e a Reforma do Ensino médio.

 

Com informações: Agência Senado

 

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

 

 

SINTUFCE discute implantação do ponto eletrônico na universidade

 

O evento promoveu amplo debate sobre o impacto da ação no cotidiano dos trabalhadores da universidade e alternativas diante da medida.

 

Na última terça-feira, 18, o Sindicato dos Trabalhadores das Universidades Federais no Ceará (Sintufce) realizou o II Seminário sobre Ponto Eletrônico, no auditório da Reitoria da Universidade.

 

Foram discutidos os aspectos ético, legal e político da implantação do ponto eletrônico anunciada pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). O evento promoveu amplo debate sobre o impacto da ação no cotidiano dos trabalhadores da universidade e alternativas diante da medida, considerando as particularidades de cada setor da instituição.

 

Confira a matéria completa e os participantes aqui!

 

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical