Fasubra Sindical

Switch to desktop Register Login

27 de março – Dia Nacional de Luta das Mulheres nas universidades contra a Reforma da Previdência e Trabalhista

 

A história apresenta o protagonismo das mulheres na luta por seus direitos. Atualmente não é diferente, a mobilização feminina pode barrar a aprovação de uma proposta que não reconhece o trabalho da mulher na sociedade.

 

 

A Federação convoca todas as trabalhadoras técnico-administrativas das instituições federais de ensino superior a realizar panfletagens e atividades que conscientize a Categoria e a população, sobre as consequências nocivas da Reforma da Previdência (PEC 287/16), principalmente as mulheres que serão as mais afetadas.

 

Na última Plenária Nacional Estatutária da FASUBRA Sindical realizada neste mês, os trabalhadores técnico-administrativos em educação aprovaram por unanimidade o dia 27 de março, como Dia Nacional de Luta das Mulheres nas universidades contra a Reforma da Previdência.

 

 

Hora de unificar

Este é o momento de unificar a luta das mulheres contra a retirada de direitos. De acordo com a Síntese de Indicadores Sociais do IBGE, 1,4 milhão de mulheres passaram a exercer a função de chefe de família em 2014, o aumento foi de 67% no período de 2004 a 2014.

 

Ao igualar a idade para obtenção do benefício, as mulheres serão as maiores prejudicadas,
principalmente as mulheres negras que estão na base da pirâmide social, recebendo os piores salários.

 

As mulheres com até 45 anos já serão afetadas por essa regra. Acima desta idade, vai valer a regra de transição. Isso significa um grande retrocesso na luta das mulheres que garantiram o reconhecimento da dupla ou tripla jornada, que comprovadamente, persiste até os dias atuais.

 

As pensionistas também sofrerão um duro ataque, a pensão por morte que atualmente é integral e será reduzida para 50%, mais 10% por dependente.  A pensão também será desvinculada do reajuste do salário mínimo, retirando ganhos reais.  

 

No serviço público, a idade mínima para homens e mulheres se aposentarem será de 65 anos, caso a PEC 287/16 seja aprovada.  Isso sem considerar a dupla e/ou tripla jornada de trabalho das mulheres e mães que trabalham, estudam e executam atividades domésticas e ainda cuidam dos filhos.

 

 

Mulheres protagonistas

A história apresenta o protagonismo das mulheres na luta por seus direitos. Atualmente não é diferente, a mobilização feminina pode barrar a aprovação de uma proposta que não reconhece o trabalho da mulher na sociedade, seja ela dona de casa, estudante ou que execute trabalho fora.

 

No início do século XX, no Brasil, as mulheres só podiam trabalhar mediante autorização dos pais ou maridos. O questionamento das mulheres do sistema de desenvolvimento baseado no patriarcalismo modificou a história.

 

Em 1917 as brasileiras adquiriram o direito de ingressar no serviço público. A equiparação do salário para o trabalho igual foi conquistada em 1919, na Conferência do Conselho da Organização Internacional do Trabalho (OIT), e atualmente a desigualdade salarial ainda persiste.

 

As mulheres passaram a integrar o movimento sindical apenas em 1920. O princípio de igualdade entre os sexos, regulamentação do trabalho feminino, equiparação de salário e direito a voto foi aprovado na Constituição de 1934, em um contexto de descontentamento popular.  

 

As conquistas femininas se caracterizaram por meio da reação diante de injustiças, para que as mudanças ocorressem na realidade.

 

 

Mulheres no movimento sindical

 

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU) Mulheres, a capacidade de organização das mulheres nos locais de trabalho e comunidade é um item indispensável na defesa dos seus direitos trabalhistas.

 

Porém, a participação das mulheres nos sindicatos, onde a voz das mulheres constitui uma das vias para garantir um trabalho decente e impulsionar avanços na organização e negociação coletiva, ainda é pequena.

 

Isso é devido à jornada de trabalho ou a distância dos seus lares que diminuem as oportunidades de se informar sobre as redes de proteção, grupos de apoio ou organizações
(sindicatos). A solução sugerida pela ONU Mulheres seria o empoderamento das mulheres em espaços de poder.

 

Para a FASUBRA, o machismo ainda presente no movimento sindical também dificulta a participação das mulheres,.

 

 

Confira as resoluções aprovadas na plenária

 

As mulheres da FASUBRA se reuniram no domingo, 19, no auditório 3 da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Brasília (UnB) para discutir ações para as mulheres da Categoria. Foram aprovadas os seguintes encaminhamentos:

 

*Implementar as resoluções congressuais no que se refere às mulheres e divulgar nos Informes
de Direção (ID) e outros meios de comunicação da Federação.

*Disponibilizar na página da FASUBRA a resolução da conferência nacional de
saúde das mulheres.

*27/03 – Dia nacional de lutas das mulheres nas universidades contra a reforma da
previdência.

* Realização do encontro nacional de mulheres trabalhadoras da FASUBRA na 1º
Quinzena do mês de Maio.

*Moção de repúdio ao presidente da câmara sobre suas falas e atitudes machistas.

 

O Dieese publicou nesta semana a Nota Técnica  “As mulheres na mira da Reforma da Previdência”, apontando que  PEC 287/16 tem como objetivo acabar com o princípio da solidariedade social, penalizando particularmente as mulheres.

.

 

 

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

 

II Encontro dos Aposentados e Pensionistas da Região Sul

 

O evento, promovido pela ASSUFRGS com participação da FASUBRA Sindical, já está com as inscrições abertas. Encontro acontecerá em Porto Alegre.

 

De 18 a 22 de abril a Associação dos Servidores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Universidade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RS (ASSUFRGS) vai sediar o II Encontro Nacional de Aposentados e Pensionistas da Região Sul, em Porto Alegre-RS.

 

Serão cinco dias de debates acerca de diversos assuntos e atividades culturais. As palestras ministradas por especialistas tratam da saúde física e mental do idoso, assédio no ambiente familiar, segurança e violência no dia a dia do idoso e previdência.

 

O evento é direcionado aos trabalhadores técnico-administrativos em educação aposentados e pensionistas de todo o país. As inscrições estão abertas no site da ASSUFRGS até o dia 14 de abril. Clique aqui!

 

 

PROGRAMAÇÃO

 

18/04/2017 – Terça –feira

 

08h às 12h- Credenciamento

09h – Mesa de abertura: ASSUFRGS Sindicato, Andes, CIS, FASUBRA e UFRGS. Santa Maria, Pelotas, Rio Grande, IFRS, UNIPAMPA, SC e PR. (composição da mesa).

11h – Palestra: Conjuntura – Bernadete Menezes (ASSUFRGS) e FASUBRA.

Inscrições para debate

12h às 14h – almoço

14h – Palestra: Saúde do Idoso na visão da Psicologia – Psicóloga Helen Durgante – Graduada em Psicologia e Mestrado em Antropologia (Goldsmiths University of London) e Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (UFRGS)

15h – Coffee Break

15h30m – Palestra: Saúde do Idoso – Planejando o Futuro com Qualidade de Vida – Dr. Carlos Eduardo Durgante – Médico Geriatra, Professor de Pós-Graduação do curso de especialização em Saúde e Espiritualidade das Faculdades Monteiro Lobato de Porto Alegre, membro da Associação Médico-Espírita do Rio Grande do Sul, Palestrante e autor e organizador de vários livros nas áreas de envelhecimento, saúde integral e espiritualidade.

Inscrição para debate

Encerramento

 

19/04/2017 – Quarta-feira

 08h30m – Mesa: GT Aposentados – Convidar representação dos presentes

09h – Palestra: Assédio que o aposentado sofre no ambiente familiar e seus direitos.- Najla Santos, Policial Civil, atuou na delegacia de polícia de proteção ao idoso no período de 2006 a 2013. Especialista em ética e educação em direitos humanos pela ufrgsAtualmente estou na Divisão de Saúde da Polícia Civil

10h – Coffee Break

10h15m – Palestra: Segurança e Violência no dia à dia do Idoso – Delegado Antônio Paulo Torres Machado, Delegacia do Idoso.

Inscrições para debate

12h às 14h – almoço

14h00 – Atividades Lúdicas

14h30 – Palestra: A Importância do Movimento Humano na Vida do Idoso – Alex de Oliveira Fagundes. Mestre pelo Programa de Pós-Graduação de Ciências do Movimento Humano – PPGCMH – UFRGS, sob orientação do Prof. Dr. Leonardo Alexandre Peyrê Tartaruga. Graduado em Licenciatura Plena em Educação Física pelo Instituto Porto Alegre da Igreja Metodista – IPA (1995). Especialização em Ciências do Esporte na ESEF-UFRGS 1996.

Inscrições para debate

Carta de Porto Alegre

Encerramento

 

20/04/2017 – Quinta-feira

 09h – Palestra: Contrarreforma da Previdência – Marilinda M. Fernandes (advogada especializada em direito previdenciário – SINDISPREV)

10h – Coffee Break

Inscrições para debate

12h às 14h – almoço

14h – Palestra: Organização das Despesas Pessoais do Idoso – Maristela Cabral da Silva Piedade, Gerente Administrativa da Empresa African Art Essências; Atua na área de compras e prestação de contas na Faculdade de Farmácia da UFRGS.     

Debate

17h – Encerramento

 

 

21/04/2017 – Sexta-feira – Atividades Culturais

 12h00 – Almoço na Sede Campestre da ASSUFRGS– Feijoada com Pagode

Ponto de encontro: Largo Zumbi dos Palmares (Av. Loureiro da Silva, 1660 – Centro Histórico de POA), às 10h.

22/04/2017 – Sábado – Atividades Culturais

 

08h – Passeio Caminhos Rurais de Porto Alegre.

Ponto de encontro: Largo Zumbi dos Palmares (Av. Loureiro da Silva, 1660 – Centro Histórico de POA) às 7h30.

 

 

Serviço

 

II Encontro Nacional de Aposentados e Pensionistas da região sul

Porto Alegre

18 a 22 de abril de 2017

Local: City Hotel – Rua José Montaury, 20 – Centro POA/RS

 

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

 

 

FASUBRA reivindica abertura de negociações no MEC

 

A Federação apresentou ao ministro Mendonça Filho o histórico de ofícios solicitando reuniões.

 

 O Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília (Sintfub) em audiência com o ministro da Educação, Mendonça Filho, para tratar de assuntos da entidade, protocolou ofício da FASUBRA Sindical que solicita abertura de negociações. O evento ocorreu na tarde de quinta-feira, 23, no Ministério da Educação (MEC).

 

No documento a FASUBRA Sindical solicita ao ministro Mendonça Filho, reunião para abertura das negociações da campanha salarial dos trabalhadores técnico-administrativos em educação e reivindica o cumprimento das cláusulas do acordo de 2015. “Vamos agendar a reunião o mais rápido possível”, afirmou o ministro.

 

A última reunião da Federação com o governo aconteceu em setembro de 2016, com Maria Helena Guimarães Castro, secretária executiva do MEC. Na ocasião, a secretária propôs agendar uma reunião após 30 dias para retomar as discussões referentes ao aprimoramento da carreira, o que de fato não ocorreu.

 

Campanha Salarial

 

A Plenária Nacional Estatutária da FASUBRA realizada nos dias 17, 18 e 19 de março aprovou a seguinte pauta para a campanha salarial específica:

 

*Inflação do período de 2015 a 2017, mais 2% de aumento real no piso da carreira.

*Reajuste dos benefícios com o mesmo índice, com diferencial para o Plano de Saúde no qual queremos um reajuste que acompanhe os reajustes da Agência Nacional de Saúde (ANS).

*Não ao corte de recursos no orçamento destinados à educação e recomposição das perdas do último período.

*Nenhuma interferência do governo e órgãos de controle em ações judiciais ganhas pelos trabalhadores.

* Nomeação imediata dos reitores eleitos pela comunidade universitária.

* Contra a Lei da Mordaça e a Reforma do Ensino médio.

 

Ofício

Resumo dos ofícios enviados ao MEC.

 

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

 

 

FASUBRA reivindica abertura de negociações no MEC

 

A Federação apresentou ao ministro Mendonça Filho o histórico de ofícios solicitando reuniões.

 

 O Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília (Sintfub) em audiência com o ministro da Educação, Mendonça Filho, para tratar de assuntos da entidade, protocolou ofício da FASUBRA Sindical que solicita abertura de negociações. O evento ocorreu na tarde de quinta-feira, 23, no Ministério da Educação (MEC).

 

No documento a FASUBRA Sindical solicita ao ministro Mendonça Filho, reunião para abertura das negociações da campanha salarial dos trabalhadores técnico-administrativos em educação e reivindica o cumprimento das cláusulas do acordo de 2015. “Vamos agendar a reunião o mais rápido possível”, afirmou o ministro.

 

A última reunião da Federação com o governo aconteceu em setembro de 2016, com Maria Helena Guimarães Castro, secretária executiva do MEC. Na ocasião, a secretária propôs agendar uma reunião após 30 dias para retomar as discussões referentes ao aprimoramento da carreira, o que de fato não ocorreu.

 

Campanha Salarial

 

A Plenária Nacional Estatutária da FASUBRA realizada nos dias 17, 18 e 19 de março aprovou a seguinte pauta para a campanha salarial específica:

 

*Inflação do período de 2015 a 2017, mais 2% de aumento real no piso da carreira.

*Reajuste dos benefícios com o mesmo índice, com diferencial para o Plano de Saúde no qual queremos um reajuste que acompanhe os reajustes da Agência Nacional de Saúde (ANS).

*Não ao corte de recursos no orçamento destinados à educação e recomposição das perdas do último período.

*Nenhuma interferência do governo e órgãos de controle em ações judiciais ganhas pelos trabalhadores.

* Nomeação imediata dos reitores eleitos pela comunidade universitária.

* Contra a Lei da Mordaça e a Reforma do Ensino médio.

 

Ofício

Resumo dos ofícios enviados ao MEC.

 

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

 

 

 

URGENTE! CALENDÁRIO DE LUTAS DA FASUBRA

 


 

Dia 27/03 – A Plenária Nacional da Fasubra de acordo com a reunião das mulheres aprovou por unanimidade em orientar que os sindicatos de base façam atividades com as mulheres trabalhadoras das universidades explicando as consequências da reforma da previdência.

 

Dia 28/03 - A Plenária Nacional da Fasubra orienta ato nacional em Brasília. Não se trata de uma grande caravana a Brasília, mas de um ato nacional com envio de caravanas do entorno e representações dos estados onde for possível. Na ocasião vamos denunciar a reforma da previdência e exigir que o governo abra negociações em relação à pauta dos SPFs imediatamente.

 

Roteiro do ato: 07 horas no aeroporto, recepção aos parlamentares. Em seguida sairemos em carreata, como um cortejo fúnebre com um caixão à frente, simbolizando o enterro da Previdência Social com término no prédio do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), no bloco K, na Esplanada dos Ministérios.

 

Como fica nos estados?

 

Os sindicatos que estiverem com atos construídos nos estados para o dia 28 de março em conjunto com outras categorias de trabalhadores devem manter. Mas os sindicatos que estiverem construindo ações em conjunto com outros sindicatos em relação ao calendário de atos que envolvem o dia 31 de março que está sendo chamado por algumas centrais e movimentos sociais devem avaliar também a sua participação. O importante é não ficar parado nessa semana, mãos a obra!

 

CALENDÁRIO DAS CENTRAIS

 

As centrais sindicais reuniram essa semana e definiram por um dia nacional de lutas para abril. Na segunda feira dia 27 de março, haverá outra reunião que vai definir uma data. Nesse sentido, todos os sindicatos filiados a FASUBRA devem seguir o calendário unificado das centrais para abril parando todas as universidades e mobilizando o maior numero possível de trabalhadores para as mobilizações de rua. Precisamos construir com toda força a greve geral pela base!

 

Direção Nacional FASUBRA Sindical