FASUBRA repudia a agressão da PM de Minas contra a greve dos professores

 

Lutar não é crime!

 

A greve dos professores das Unidades Municipais Educação Infantil (Umeis) de Belo Horizonte-MG iniciada nesta segunda-feira, 23 de abril, tem o objetivo de lutar por um plano de carreira mais justo e equiparação salarial da carreira da educação infantil à do ensino fundamental, prometido pelo atual prefeito Alexandre Kalil (PHS).

 

Como primeira manifestação do movimento paredista o Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte (Sind-REDE/BH) organizou um protesto na porta da prefeitura e foram duramente reprimidos pela PM do governo de Fernando Pimentel (PT).  

 

Além do prefeito não receber os professores, o batalhão de Choque da PM utilizou bombas de efeito moral, balas de borracha, jatos de água, sprays de pimenta e gás lacrimogêneo contra mulheres e crianças. Dez professoras ficaram feridas e os dirigentes do Sind-REDE/BH foram absurdamente presos.

 

 

É preciso responsabilizar o prefeito, como também o governador Pimentel por essa agressão à greve dos professores, que também é um ataque a direitos democráticos. A Fasubra Sindical apoia a greve dos trabalhadores da educação de BH e chama as entidades e movimentos sociais a repudiar a violência contra os professores. Lutar não é crime!

 

Direção Nacional FASUBRA Sindical